Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Buscar   OK
Redes Sociais


Hora Certa

Locutor (a)
MADRUGADA DE EMOÇÕES
Enquete
Você gostaria de mudar-se para outro País?

 Não, eu adoro o Brasil!
 Sim, acho que o Brasil é muito sem cultura!
 Talvez sim, talvez não.
 Depende... se o Brasil estivesse em Guerra e o outro País não...
 Sei Lá, nunca pensei no assunto!

Publicidade Lateral
Top Música
1
A Culpa é Sua
Léo Satana
2
Sapequinha
Eduardo Costa
3
Minha Princesa
Desejo De Menina
4
Lábios De Mel
Ivete e Criolo
5
Não Conto
Wesley Safadão
Estatísticas
Visitas: 893391 Usuários Online: 73
Bate Papo

Digite seu NOME:


Pernambuco

Publicada em 04/10/17 as 10:14h - 43 visualizações
PF deflagra operação no Pará contra fraudes de quase R$ 1 bi na floresta

RÁDIO PETROLINA FM 98,3,


 (Foto: RÁDIO PETROLINA FM 98,3,)
A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (04) a Operação Anhangá Arara, nas cidades de Uruará (PA), Placas (PA), Rurópolis (PA), Santarém (PA), Castelo dos Sonhos, Altamira (PA), Porto União (SC), Curitiba (PR) e União da Vitória (PR). A operação tem por objetivo a desarticulação de associação criminosa que coordenava a extração ilegal de madeiras nobres dentro da TI Cachoeira Seca.

Foram expedidos pela Justiça Federal de Altamira 10 mandados de condução coercitiva, 11 mandados de sequestro de bens e valores, 6 mandados de busca e apreensão em empresas/casas pertencentes aos investigados e a suspensão das atividades empresariais das empresas envolvidas no esquema criminoso. Participam da operação aproximadamente 40 policiais federais.

A investigação começou após relatório da Operação Cachoeira Seca, realizada pelo IBAMA, que apontou que a TI Cachoeira Seca estava sendo alvo de exploração ilegal de madeira por madeireiras clandestinas. Durante as averiguações, foi identificado um grupo empresarial composto por familiares, cujo patriarca era o responsável pela coordenação da extração ilegal de madeira em áreas protegidas e por escoar a madeira para as empresas do grupo familiar. Para burlar a fiscalização e dar teor legal à madeira, o grupo fraudava créditos florestais por meio de inserção de dados falsos no SISFLORA, além de utilizar Planos de Manejo Florestal de fachada. 

Em seguida, a madeira era transmitida entre empresas do grupo até ser exportada por meio de portos de Belém e do Sul do Brasil, como os constantes na cidade de Itajaí e Paranaguá. O destino da madeira abrange os continentes Americano (EUA, Panamá, Argentina), Europa (França, Reino Unido, Alemanha) e Ásia (Emirados Árabes Unidos, Coreia do Sul).

Segundo laudo pericial da Polícia Federal, estima-se o dano ambiental em um valor aproximado de mais de R$ 574 milhões, referente exclusivamente às atividades de extração ilegal de madeira do interior da Terra Indígena Cachoeira Seca e de mais de R$ 322 milhões referentes aos produtos florestais extraídos ou destruídos quando da abertura das áreas classificadas como corte raso, totalizando um valor de aproximadamente R$ 897 milhões.

O nome Anhangá Arara significa proteção à morada dos índios, afetada pelas ações dos investigados. Anhangá é o espírito protetor da natureza, figura pertencente ao folclore indígena, enquanto Arara são os povos indígenas que habitam a Terra Indígena Cachoeira Seca, encontrando nela uma nova morada após quase serem extintos no século XX.



Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Parceiros

AV. Francisco Coelho de Amorim , Nº 45, BAIRRO: José e Maria, CEP 56320-440 - PETROLINA/PE FONES: (87) - 3867.1049 - (87) - 3861.5555 - (87) 8802.1892 EMAIL: radiopetrolinafm@hotmail.com ou petrolinafmcomercial@hotmail.com - por Site Gerenciavel
Copyright (c) 2017 - RÁDIO PETROLINA FM 98,3, - Todos os direitos reservados