Sábado, 23 de Junho de 2018

Buscar  
Redes Sociais


Hora Certa

Locutor (a)
A HORA DO MOTOCICLISTA com Ivo Da Hora
Enquete
Na sua opinião, o Hospital Universitário deve servir só a Petrolina?

 Sim
 Não

Publicidade Lateral
Top Música
1
A Culpa é Sua
Léo Satana
2
Sapequinha
Eduardo Costa
3
Minha Princesa
Desejo De Menina
4
Lábios De Mel
Ivete e Criolo
5
Não Conto
Wesley Safadão
Estatísticas
Visitas: 1273248 Usuários Online: 32
Bate Papo

Digite seu NOME:


Política

Publicada em 03/08/17 às 08:38h - 850 visualizações
Gonzaga Patriota vota pela investigação de Temer, mas Câmara rejeita denúncia e livra presidente de responder a processo no Supremo

RÁDIO PETROLINA FM 98,3,


 (Foto: RÁDIO PETROLINA FM 98,3,)

O deputado federal Gonzaga Patriota (PSB-PE) foi um dos 227 parlamentares a votarem, na noite desta quarta-feira (02), pela investigação do presidente Michel Temer (PMDB). O legislador foi contrário ao relatório da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que recomendava a rejeição da denúncia da Procuradoria Geral da República por crime de corrupção passiva contra o peemedebista.

"Votei contra o Teto [dos Gastos Públicos], contra a Reforma Trabalhista, votarei contra a Previdenciária e em nome de 90% do povo brasileiro, voto sim à investigação e não ao relatório", disse o parlamentar. No total, votaram 492 dos 513 deputados - 264 a favor do relatório e duas abstenções. Houve 19 ausências e, com base no regimento da Câmara, o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) não votou

"Votei contra o Teto [dos Gastos Públicos], contra a Reforma Trabalhista, votarei contra a Previdenciária e em nome de 90% do povo brasileiro, voto sim à investigação e não ao relatório", disse o parlamentar. No total, votaram 492 dos 513 deputados - 264 a favor do relatório e duas abstenções. Houve 19 ausências e, com base no regimento da Câmara, o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) não votou.

Com isso, a acusação contra Temer ficará parada no Supremo Tribunal Federal. O entendimento do STF é que o caso só poderá ser retomado quando Temer deixar a Presidência, em 31 de dezembro de 2018, momento em já não será mais necessária autorização de um órgão externo para que o Judiciário acolha a denúncia e abra o processo. Nesse período de paralisação, o relator do caso no Supremo, ministro Edson Fachin, deverá determinar também a suspensão do prazo para a prescrição. Nesse ato, fica interrompido, portanto, o tempo no qual a demora para o julgamento elimina a possibilidade de punição. Fim do foro privilegiado

Quando Temer estiver fora da Presidência, e sem o chamado foro privilegiado, caberá a um juiz de primeira instância analisar a denúncia. Tal procedimento costuma ser mais rápido e simples, já que a decisão é individual. O juiz será designado pelo STF, após avaliação de onde teria ocorrido o delito. Assim como no Supremo, não existe na primeira instância um prazo definido para a instrução criminal e o julgamento final. A diferença é que, após a condenação em primeira instância, o réu pode recorrer a mais três instâncias: o Tribunal de Justiça ou Regional Federal; o Superior Tribunal de Justiça; e o próprio Supremo.

Nos processo no STF, a palavra final é da própria Corte, sem possibilidade de recursos a outras instâncias.





Deixe seu comentário!

ATENÇÃO: Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Parceiros

AV. Francisco Coelho de Amorim , Nº 45, BAIRRO: José e Maria, CEP 56320-440 - PETROLINA/PE FONES: (87) - 3867.1049 - (87) - 3861.5555 - (87) 8802.1892 EMAIL: radiopetrolinafm@hotmail.com ou petrolinafmcomercial@hotmail.com - por Site Gerenciavel
Copyright (c) 2018 - RÁDIO PETROLINA FM 98,3, - Todos os direitos reservados